Favoritos

Você não favoritou nenhum post ainda. Para fazer isso, basta clicar no ícone presente nas páginas.

  • Covid-19: Qual o impacto que o medo tem na nossa saúde física e mental?

  • O medo ativa nosso sistema de resposta ao estresse, que envolve os hormônios da adrenalina e o cortisol e provoca duas possibilidades de resposta: luta ou fuga.

    Frente a uma ameaça, como no caso da Covid-19, o organismo se prepara para lutar ou para fugir, e isso é instintivo, explica a médica psiquiatra Betina Mariante Cardoso. “O medo é o alarme que nos protege, que faz o organismo lançar mão de seus recursos para proteger a sobrevivência. Porém, o mesmo mecanismo que nos protege de forma aguda, também nos coloca em risco de forma crônica, pois o cortisol acaba baixando a nossa imunidade”, conta. O estresse crônico também está associado ao desenvolvimento de condições psiquiátricas como ansiedade e depressão.

    O medo que estamos vivenciando com a Covid-19 tem duas faces. Em uma delas, faz com que sigamos as orientações de saúde de modo consciente e razoável, senão acabaríamos saindo por aí sem qualquer preocupação. A outra face deste medo é quando ele é exagerado e pode nos congelar a ponto de não conseguirmos dar conta de nossa rotina dentro da quarentena em quadros de pânico, ansiedade e preocupações que nos ocupam a maior parte do dia.

    “O medo precisa nos impulsionar a nos cuidarmos, mas quando ele nos paralisa, não conseguimos fazer mais nada além de ver notícias, pensar na pandemia, limpar a casa à exaustão. Esse é o medo que faz mal para a saúde, que não protege”, diz.

    E como podemos vencer esse cenário? Confere os próximos posts no Instagram @bemvivercarlalubisco

    View this post on Instagram

    Qual o impacto que o medo tem na nossa saúde física e mental? O medo ativa nosso sistema de resposta ao estresse, que envolve os hormônios da adrenalina e o cortisol e provoca duas possibilidades de resposta: luta ou fuga.⠀ ⠀ Frente a uma ameaça, como no caso da Covid-19, o organismo se prepara para lutar ou para fugir, e isso é instintivo, explica a médica psiquiatra Betina Mariante Cardoso. “O medo é o alarme que nos protege, que faz o organismo lançar mão de seus recursos para proteger a sobrevivência. ⠀ ⠀ Porém, o mesmo mecanismo que nos protege de forma aguda, também nos coloca em risco de forma crônica, pois o cortisol acaba baixando a nossa imunidade”, conta. O estresse crônico também está associado ao desenvolvimento de condições psiquiátricas como ansiedade e depressão.⠀ ⠀ O medo que estamos vivenciando com a Covid-19 tem duas faces. Em uma delas, faz com que sigamos as orientações de saúde de modo consciente e razoável, senão acabaríamos saindo por aí sem qualquer preocupação. ⠀ ⠀ A outra face deste medo é quando ele é exagerado e pode nos congelar a ponto de não conseguirmos dar conta de nossa rotina dentro da quarentena em quadros de pânico, ansiedade e preocupações que nos ocupam a maior parte do dia.⠀ ⠀ “O medo precisa nos impulsionar a nos cuidarmos, mas quando ele nos paralisa, não conseguimos fazer mais nada além de ver notícias, pensar na pandemia, limpar a casa à exaustão. Esse é o medo que faz mal para a saúde, que não protege”, diz.⠀ ⠀ E como podemos vencer esse cenário? No próximo post, a @betinamc.psiquiatra e a @carlalubisco vão nos mostrar os caminhos! #medo #ansiedade #covid #covid_19 #saudemental #saúde ⠀

    A post shared by Carla Lubisco | Bem Viver (@bemvivercarlalubisco) on

    Comentários

    Comente ...